carneiros (1)

Costa dos Corais oferece opções de ecoturismo para as férias de verão

Avalie esse destino

As férias de verão podem se transformar num grande roteiro de aventuras com os pacotes de viagens de turismo ecológico. O ecoturismo tem sido a preferência daqueles que procuram, ao viajar, conhecer e explorar patrimônios naturais, praticar esportes radicais sob a perspectiva da educação ambiental e da preservação da natureza. Nas viagens de ecoturismo, o turista tem a possibilidade de praticar esportes radicais, como mergulhos, rafting, rapel, safaris, mergulho e até escaladas.

E para que você possa desfrutar desse período de descanso com tranquilidade e diversão, a Fundação Toyota do Brasil, que apoia ações que são referência em ordenamento de atividades econômicas e turísticas no Nordeste, oferece algumas dicas de viagem para as praias da região da Costa dos Corais.

A rota ecológica do Nordeste

Um dos lugares mais procurados nas férias de verão tem 413.000 hectares de natureza exuberante em uma Área de Proteção Ambiental (APA). A APA Costa dos Corais abrange dez munícipios de Alagoas e três em Pernambuco e é um verdadeiro berçário da vida marinha com mais de 185 espécies de peixes registradas e a presença de animais em risco de extinção como a tartaruga-marinha e o peixe-boi. O local proporciona atividades de mergulho, passeios de barcos, observação de espécies da flora e da fauna, permitindo programas culturais como visitas às construções originais do século 18.

O projeto visa à conservação dos recifes de corais, proteção das áreas de manguezais, a preservação dos ecossistemas relacionados a espécies ameaçadas e busca a sustentabilidade das comunidades, que perceberam o potencial turístico da região considerada uma das mais belas do Brasil. Dessa forma, atividades econômicas regradas como o passeio de observação do peixe-boi marinho contribuem para a preservação do mamífero aquático mais ameaçado de extinção no Brasil. A atividade de observação da espécie é realizada pela Associação Peixe Boi, localizada em Porto de Pedras, Alagoas. A atividade acontece no rio Tatuamunha diariamente e tem duração de aproximadamente uma hora. Mas se programe com anteced& ecirc;ncia, principalmente, na temporada, pois o número de visitantes se limita a 70 diariamente.

Para quem deseja conhecer as piscinas naturais de Alagoas, conhecidas também como galés, um dos locais sugeridos é Maragogi. Em horários de maré baixa é possível mergulhar de snorkel ou cilindro, opção que inclui acompanhamento de guias a cinco metros de profundidade. No mesmo circuito, não deixe de fazer uma visita a Japaratinga. A cidade tem um ritmo ainda mais relaxado que Maragogi e ainda mantém suas construções originais como a  Igreja Matriz, construída  pelos holandeses.

Além da APA

Muito próximo da APA, em Pernambuco, o mar cristalino da Praia dos Carneiros recebe diversos turistas para observar peixes e outros animais marinhos que se encontram nas piscinas de corais. O acesso difícil é motivo para o local ser relativamente pouco frequentado, tendo sua paisagem quase inalterada desde o século passado. Os tours de catamarã partem da Praia de Tamandaré (que é parte da APA) e os horários de saída podem variar de acordo com a época do ano.

Porto de Galinhas, também no estado pernambucano, é passagem obrigatória para os viajantes que estão na região. Durante o dia, o roteiro é preenchido por mergulhos, caminhadas pela praia e atividades como o frescobol. À noite, as vilinhas aconchegantes do centro comercial se enchem de turistas a procura desouvenirs.

Como chegar

– Aéreo

As principais portas de entrada para a Costa dos Corais são as capitais Maceió/AL e Recife/PE pelos aeroportos: Aeroporto Internacional de Maceió (Zumbi dos Palmares) e Aeroporto Internacional do Recife (Gilberto Freire), que se ligam por meio de serviços de tranfers oferecidos nos próprios locais.

– Ônibus

As saídas do ônibus em Maceió e Recife acontecem em horários simultâneos e o tempo de duração da viagem entre as duas capitais é de 4h40. Os ônibus partem dos terminais rodoviários às 4h15 e 11h.

– Carro

Partindo de Maceió pegue a rodovia AL-101 Norte. Partindo de Recife, vá para BR-101 Sul, depois pegue a PE-60 até divisa PE/AL, onde se acessa a AL-101 Norte.

Dicas para aproveitar melhor sua viagem

  • No Nordeste, as paisagens das praias podem se diferenciar de acordo com a variação das marés. Se o passeio acontecer em um dia de maré mínima (entre 0,1m e 0,2m de altura), é possível observar os recifes de corais expostos com a água transparente na altura dos joelhos. Em época de maré alta (entre 0,4m e 0,7m), a correnteza é mais intensa e fica mais difícil se movimentar entre os corais. Para ter uma previsão da maré no dia de sua viagem, acesse o site da Marinha:http://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-previsao-mare/tabuas/index.htm
  • É sempre recomendável que o visitante busque informações com profissionais e unidades de conservação a prática de atividades ecológicas.
  • Ao mergulhar nas piscinas, passe protetor solar com antecedência e utilize apenas protetor à prova d’água, pois óleos e cremes prejudicam os corais;
  • Não alimente os peixes, saguis e outros animais selvagens, pois pode colocar em risco a saúde e equilíbrio da fauna e flora local;
  • Não pise nem toque nos corais. Eles são animais muito frágeis e morrem facilmente. Alguns organismos possuem substâncias irritantes e tóxicas que podem te machucar se você pisar ou tocar neles;
  • Leve o lixo produzido a um local apropriado para coleta! Nunca jogue lixo no mar pois isso é prejudicial à fauna marinha;
  • Não colete nada nem compre artesanato feito com animais marinhos. Do passeio, leve apenas memórias e fotografias;
  • Ao avistar um peixe-boi, não se aproxime, não toque, nem ofereça alimentos e bebidas. Ele é um animal selvagem e está ameaçado de extinção no Brasil.

Serviço

  • Associação de Jangadeiros de Tamandaré/PE: (81) 99705-8303
    ● Jangadeiros da Rota Ecológica/AL: (82) 3295-1215
    ● Associação Peixe-boi/AL: (82) 3298-6247, (82) 99917-2146, (82) 99359-7473 (WhatsApp)

Sobre a Fundação Toyota do Brasil

Criada em abril de 2009, a Fundação Toyota do Brasil atua na preservação ambiental e formação de cidadãos. Além das novas iniciativas surgidas com a sua instituição, a Fundação Toyota do Brasil unificou e ampliou todos os projetos de responsabilidade social em andamento, que estavam sob a responsabilidade da montadora Toyota do Brasil.

Nacionalmente, a Fundação Toyota do Brasil patrocina desde 2009 o Projeto Toyota APA Costa dos Corais, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do governo federal. O projeto prioriza a conservação dos recifes de corais e ecossistemas associados ao peixe-boi marinho em uma área de 413 mil hectares nos estados de Alagoas e Pernambuco.

No Pantanal sul-mato-grossense, o apoio de mais de duas décadas ao Projeto Arara Azul nas atividades de proteção e monitoramento da espécie retirou, em 2014, a ave da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção. Na década de 90, especialistas contabilizavam cerca de 1.500 aves e hoje, com o apoio da Toyota, estima-se uma população de 5 mil aves naquela região. No estado de São Paulo, a entidade promove o projeto Águas da Mantiqueira, iniciativa de pesquisa em conservação da biodiversidade, que visa o planejamento territorial e o desenvolvimento socioeconômico de forma sustentável do município paulista de Santo Antônio do Pinhal, na Serra da Mantiqueira – cordilheira que é a maior província de água mineral do mundo.

Localmente, a entidade agrega ainda as ações sociais implantadas e mantidas nas comunidades onde a empresa possui unidades, como Indaiatuba (SP), Guaíba (RS), Porto Feliz (SP), Sorocaba (SP) e São Bernardo do Campo (SP). As iniciativas compreendem as áreas de educação, meio ambiente e cultura, e contam com o apoio dos colaboradores da empresa como voluntários.

Para mais informações, visite o site da Fundação Toyota do Brasil na internet www.fundacaotoyotadobrasil.org.br.

 

 

Você também pode gostar de: